quarta-feira, 6 de abril de 2016

Jejum intermitente ( ou o famoso JI )

É incrível a sensação de quando nos adaptamos a ficar períodos longos sem comer. O Jejum intermitente nos possibilita esta liberdade, e por mais que possa parecer absurdo, é muito saudável.
Tomei a liberdade de colocar aqui, alguns trechos sobre os mitos desta prática, postado no blog do doutor Souto.

Alguns conceitos-chave desenvolvidos por Pilon


  • Só existem dois estados metabólicos possíveis: alimentado ("fed") ou "em jejum" ("fasted").
  • Simples assim. Enquanto estamos no estado alimentado, o corpo está no modo armazenamento; e no estado de jejum, usa as reservas;
  • Nossos antepassados mantinham um equilíbrio entre os dois estados;
  • No nosso estilo de vida atual, passamos no mínimo 2/3 do tempo no estado alimentado, comendo a cada 3 horas, o que impede o uso das reservas de gordura
  • A insulina é reduzida com low carb, mas nunca fica tão baixa quanto em jejum.
  • Alguns alimentos elevam muito pouco a insulina, mas nada BAIXA a insulina tanto quanto simplesmente não comer
  • O metabolismo não desacelera com jejuns curtos.
  • Na verdade ele pode até mesmo aumentar!! O incrível é que, do ponto de vista evolutivo, isto é óbvio: quando estamos com fome, precisamos ter energia para ir à luta e caçar algum animal ou achar umas raízes - se desacelerássemos, nossa falta de comida só pioraria, e morreríamos. Isto é diferente da fome crônica, na qual desaceleramos para não morrer.
  • Neste estudo, observa-se um aumento do metabolismo basal com jejum de até 72 horas - são TRÊS dias sem comer. Neste outro estudo, voluntários que praticaram jejum intermitente em dias alternados por 22 dias não apresentaram nenhuma redução de seu metabolismo
  • A lista de estudo citados pelo autor é longa, e para mim não resta dúvida: assunto encerrado.
  • O metabolismo não depende muito do que você come ou deixa de comer, e sim de sua quantidade de massa magra (músculo):
  • No gráfico acima, pode-se ver que o gasto metabólico basal correlaciona-se com a massa magra, independentemente de a pessoa estar em dieta, dieta + exercício ou dieta de muito baixa caloria.
  • Ou seja, o que vai manter seu metabolismo basal alto é a musculação (única forma de criar massa muscular).
  • Jejuns curtos (24h) não afetam a cognição e o funcionamento do cérebro
  • Mais uma vez, o autor cita vários estudos que dão suporte às suas afirmações
  • A restrição calórica, quando associada à musculação ("resistance training"), não leva à perda de massa muscular
  • Para mim, este foi o grande aprendizado. Seguem algumas referências:
  • Benefícios metabólicos do jejum intermitente incluem todos os benefício de uma dieta low carb (melhora da síndrome metabólica e da inflamação crônica).
Leia na íntegra no blog do Dr. Souto: 
http://www.lowcarb-paleo.com.br/2013/02/jejum-intermitente.html